Aprendi que não temos limites para sermos felizes o importante mesmo é sempre buscar o que for necessário para essa felicidade que tanto procuramos, tudo depende de nós, só bastar querer! Agradeço aos meus santos e guias por que neles eu encontro uma felicidade muito especial e que através deles o meu contato com Deus e muito mais gratificante! A Casa da Estrela Guia é uma forma de agradecimento a eles! Obrigada!


Seja Bem vindo!!

Independente de qual for sua religião ou crença, sendo Espírita, Católico, Protestante, Evangélico, Kardecista, Budista, entre outras. Aqui neste espaço você encontrará Paz e Luz...


"De a quem você ama: Asas para voar, Raízes para voltar e Motivos para ficar.”Dalai Lama



Minha Meta: Divulgar o candomblé de todas as maneiras possíveis, de forma simples, clara e objetiva e Minha Missão: Ajudar os necessitados sem perguntas, fazendo o bem sem olhar a quem... - Alda da Oxum

Seguidores


Aqui começa mais uma etapa da minha Vida, que quero compartilhar com você. Neste Blog, espero ajudar muitos amigos, parentes e irmãos... Serve para quem sabe muito, pouco ou nada sobre o espiritismo. Ou seja, o Blog também será feito por você, caso tenha alguma dúvida, informação, oração, matérias, ou qualquer assunto sobre Candomblé ou Umbanda, mande para mim, pois um dia alguém precisará e terá aqui no Blog a sua informação. Desde já muito obrigada pela visita, pela ajuda e pelo carinho!


“O Candomblé não é responsável pelos absurdos praticados em seu nome, assim como Jesus Cristo não é responsável pelos absurdos que foram e que são praticados em Seu nome e em nome de seu Evangelho”.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

A história da Vovó Catarina



Em meio a tantas outras, naquele navio negreiro - prenúncio de cativeiro - vindo de Angola, estava uma menina: Catarina!

Precocemente arrancada de suas raízes e de seu solo natal, era levada, pelas águas e pela força, a um destino ao mesmo tempo desconhecido e temível. Aquela menina, afastada de seus antepassados, iria cumprir uma longa jornada que a traria, por fim, ao nosso convívio.

E foi ali, sentada num toco, que Vovó Catarina, segurando sua bengala e acariciando um rosário, me contou sua história.
Dos tempos de menina quase nada restou, ao menos nada que quisesse contar-me. Sua narrativa já a encontra adulta, cativa numa fazenda, numa terra chamada Brasil.

Espremida entre outras negras, numa senzala, Catarina tem por obrigação trazer ao mundo outras almas, lucro para seu senhor. Suas mãos de parteira habilidosa aparavam aquelas criaturas que nasciam sob a insígnia da escravidão. Escravidão de almas, de direitos, de raízes, de querer, de tudo! Marcados todos, com o sinal do dono, marcados todos para apenas sobreviver. Cada criança nascida enchia seu coração de dor pelo destino que lhes estava reservado.

Seu compromisso perante seu senhor não era apenas trazer ao mundo aqueles pequenos infelizes, mas sim “peças” fortes e capazes para o trabalho.

Se o destino deixava que lhe escapasse algum, era severamente punida pelo prejuízo causado. Por isso, pagava com dor, corpo castigado, preso ao tronco, cada alma que Zambi levava.

Cada negra que paria, reforçava nela a decisão de jamais dar, à escravidão, filhos seus. As ervas que conhecia a ajudavam nesse propósito, tornando-a estéril. Deixou-se, também, “enfeiar”, na tentativa de não servir aos propósitos reprodutivos de seu senhor.

Ficou feia por fora, mas conservou a beleza interior que já havia nascido com ela, a força de seus ancestrais e a profundidade de suas raízes, embora precocemente arrancadas, ainda germinavam nela um desejo ardente por liberdade, senão para si, para os de sua cor.

Um dia, a natureza trouxe à casa grande a dor de um parto difícil. Mesmo num leito confortável, entre lençóis limpos, o sofrimento da senhora e a angústia de seu senhor eram iguais às de qualquer negro e acabaram por trazer, àquele quarto, a experiência de Catarina.

Chamada às pressas, como último recurso, fez aquilo que ninguém tivera a coragem de fazer. Suas mãos negras e seguras penetram as entranhas daquela moça branca e colocaram o bebê na posição adequada para nascer.

Todo o peso da responsabilidade transformara-se em alívio e alegria. Jamais quis perder alma alguma e daquela, em especial, dependia sua vida. A negra, acostumada aos açoites era, agora, presenteada com gratidão. Ao trazer ao mundo o sinhozinho, cai nas graças dos senhores, recebendo o privilégio de não mais ser presa ao tronco.

Os anos passam, o sinhozinho cresce e Catarina envelhece. A força que os uniu, no dia do nascimento, faz dele seu protetor, presenteando-a com uma casa, fora da senzala. Ali, Catarina experimenta a única sensação de liberdade que conhece: a solidão. O silêncio e o recolhimento só são quebrados pelos gritos: “Catarina, corre!”.

A velha senhora avança pelos pastos, correndo e orando, pois sabe que tem negra parindo. Sua vida é levada assim, com suas mãos trazendo ao mundo outras vidas. A mulher que nunca foi mãe é agora avó de muitos, por isso passa a ser chamada de Vovó Catarina.

A menina negra, contrabandeada de sua terra natal pela ganância, arrancada de suas raízes pela cor da sua pele, vendida como mercadoria, açoitada por feitores, cumpre o seu destino de parteira. Traz ao mundo, dentro da senzala imunda, dezenas de crianças de sua cor, para compartilhar seu próprio sofrimento, o sofrimento reservado àqueles que não possuem direito, nem ao menos ao próprio corpo.

Um único nascimento branco dá a ela o direito irrecusável de viver longe do tronco. Que cativeiro é esse que separa as pessoas pela cor da pele?

Tantas almas brancas maculadas de sangue. Tanta pele branca tingida com o negro da escravidão. Tantas vidas presas ao fardo de ter que pagar com reencarnações, cada elo da corrente que prendeu um ser humano ao seu semelhante.

Vovó Catarina, do alto de sua sabedoria, diz saber que a escravidão, tanto quanto cruel, não foi inútil.

Serviu para resgatar os erros cometidos por seu povo, quando ainda encarnados em terras africanas. “A justiça de Deus não comete enganos.”

Cada negro aprisionado estava, também, acorrentado aos seus próprios erros, resgatando-os, um a um, com dor, humilhação e sangue.

Diz ela: “Não há povo mais sofrido, até hoje, do que o que tem a mesma cor que a minha. Cada preto e preta, que hoje está trabalhando nessa casa, tem seus próprios pecados para pagar, e um dia, se assim for preciso, voltarão reencarnados para quitar suas dívidas”.

Vovó Catarina exibe até hoje, em suas mãos, as marcas dos ferros que a prenderam ao tronco. Ao permitir que eu as visse – suas mãos e suas cicatrizes -, abriu meu coração e meus ouvidos para os detalhes de uma história que ainda não haviam sido contados.

Apenas uma vez vi uma névoa de tristeza embaçar seus olhos, que possuem uma alegria quase infantil. Ao se referir ao resgate que seu povo teve que suportar com cativeiro, imaginei, porque apenas posso imaginar, o que se passou naquelas planícies africanas, banhadas pelo oceano Atlântico; quando ainda se falava apenas o Banto, com todos os seus dialetos; bem antes de se tornar colônia portuguesa.

Se um dia, essa história for contada, espero estar lá para ouvir.

Por enquanto, nos resta respeitar a dignidade com que estas almas suportaram sua dor.

Obrigada pela visita e Volte sempre!!
Axé sempre em seus Caminhos!!!
Abraços!!

Alda da Oxum


Nenhum comentário:

Orixás

Orixás

Agradecimento


click to create your own


”Bem amados, intensificai vossas orações para que vosso planeta e vossos irmãos possam superar todos os obstáculos que se apresentam neste momento de transição.”


Postagens populares